Manuel Coutinho Carmo Bucar Corte Real, SE, M.Ec.

Comissario Adjunto de Prevenção da CAC de Timor-Leste (2010 - 2014)







O Mundo de Informações

O que é o Crescimento Económico?

--
O crescimento económico é o aumento da quantidade de mercadorias e serviços produzidos por uma economia dentro de algum período. É convencionalmente que este medida do aumento do PIB considerando em percentagem. O crescimento é normalmente calculado em verdadeiros termos, isto é em termos ajustados por inflação nos preços das mercadorias e serviços produzidos. Na economia, "o crescimento económico" ou "a teoria de crescimento económico" tipicamente refere-se ao crescimento da produção potencial, isto é, produção "no emprego cheio," que é causado pelo crescimento em exigência agregada ou produção observada.
--
Como uma área de estudo, o crescimento económico é geralmente distinguido da economia de desenvolvimento. O sentido é principalmente no estudo em que os países podem promover as suas economias.
--
Estabilização a curto prazo e crescimento de longo prazo
--
Os economistas distinguem entre estabilização económica a curto prazo e crescimento económico de longo prazo. O tópico do crescimento económico é principalmente preocupado com a longa corrida.
--
A curta variação do crescimento económico é denominada o ciclo de negócios, e quase todas as economias experimentam periodicamente. O ciclo pode ser um erro como as flutuações não são sempre as habituais. A explicação dessas flutuações é um dos focos principais da macroeconomia. Há pensamentos diferentes quanto às causas de retiradas em alguns consensos, a nova economia clássica e a nova economia Keynesiana. Os choques de petróleo, a guerra e o fracasso de colheita são causas óbvias da retirada. A curta variação no crescimento, geralmente em países mais altos do rendimento desde o primeiro de anos 90 e isto foi atribuída, em parte, à melhor gerência macroeconómica.
--
O caminho de longo prazo do crescimento económico é uma das perguntas centrais da economia; apesar dos problemas da medição, um aumento no PIB de um país é geralmente tomado como um aumento no padrão da vida dos seus habitantes. Por cima dos períodos de longo tempo, as tarifas até pequenas do crescimento anual podem ter grandes efeitos pela composição.
--
O Conceito da Teoria de Crescimento Clássico
--
O conceito moderno do crescimento económico começou com a crítica do Mercantilismo, especialmente pelos fisiocratas e com os pensadores de Iluminação escoceses como David Hume e Adam Smith, e a fundação da disciplina da economia política moderna. A teoria do fisiocratas foi que a capacidade produtiva, se mesmo, levou em conta o crescimento, e a melhoria e o aumento de capital para permitir que a capacidade fosse "a prosperidade de nações". Ao passo que eles realçaram a importância da agricultura e viram a indústria urbana como "estéril", Smith estendeu a noção que o fabrico foi central à economia inteira.
--
David Ricardo então argumentaria que o comércio foi um benefício a um país, porque se um pode comprar um bom mais barato do exterior, ele significou que houve trabalho mais lucrativo a ser feito. Esta teoria "da vantagem comparativa" seria a base central de argumentos a favor do comércio gratuito como um componente essencial do crescimento.
--
O rendimento per cápita foi essencialmente uma questão até a revolução industrial. Este período de tempo é chamado o período de Malthusiano, desde que foi governado pelos princípios explicados por Thomas Malthus no seu "Segundo Ensaio de Princípio da População." Na essência, Malthus disse que qualquer crescimento na economia traduziria um crescimento na população. Assim, embora o rendimento agregado possa aumentar, o rendimento per cápita foi atado para ficar rudemente constante. A teoria dominante do crescimento económico afirma que com a revolução industrial e avanços na medicina, a expectativa de vida aumentou, a mortalidade infantil diminuiu, e o pagamento de salários à recepção de uma educação foi mais alto. Assim, os pais começaram a colocar mais valor na qualidade das suas crianças e não na quantidade. Isto levou a uma baixa nas tarifas de fertilidade da maior parte de nações industrializadas. Isto é conhecido como o esgotamento do regime Malthusiano. Com o rendimento que aumenta mais rápido do que o crescimento demográfico, as economias industrializadas substancialmente aumentaram os seus rendimentos per cápita nos próximos séculos.
--
O modelo de crescimento neoclássico
--
A noção do crescimento como os stocks de capital aumentados nas mercadorias foi codificada como o Modelo de Crescimento de Solow-Swan, que implicou uma série de equações que demonstram uma relação entre o tempo de trabalho, mercadorias de capital, produção, e investimento. Nesta visão moderna, o papel da modificação tecnológica ficou crucial, mesmo mais importante do que a acumulação da capital. Este modelo, desenvolvido por Robert Solow e Trevor Swan nos anos 1950, foi a primeira tentativa a modelar analiticamente o crescimento de longo prazo. Este modelo assume que os países usam os seus recursos eficientemente e diminuindo o retorno de capital e aumentos de trabalho. Dessas duas premissas, o modelo neoclássico faz três previsões importantes. Primeiro, aumento de capital quanto ao trabalho cria o crescimento económico, desde que a gente pode ser mais produtiva dada mais capital. Em segundo lugar, os países pobres com menos capital por pessoa vão tornar se mais rápido porque cada investimento na capital produzirá mais um alto regresso do que países ricos com a capital ampla. Terceiro, por causa da diminuição do retorno de capital, as economias conseguirão consequentemente um ponto no qual nenhum novo aumento na capital criará o crescimento económico. Este ponto é chamado "um estado constante".
--
O modelo também observa que os países podem superar este estado constante e continuar crescendo inventando nova tecnologia. Na longa corrida, a produção per cápita depende da tarifa da economia, mas a tarifa do crescimento de produção deve ser igual para qualquer tarifa de economia. Neste modelo, o processo pelo qual os países continuam crescendo apesar da diminuição dos retornos é "exógenos" e representa a criação da nova tecnologia que permite a produção com menos recursos. A tecnologia melhora, o nível estatal constante de aumentos de capital, e o país investe e cresce. Os dados não apoiam algumas de previsões deste modelo, especialmente, que todos os países cultivam na mesma tarifa na longa corrida, ou que os países mais pobres devem tornar-se mais rápidos até que eles consigam o seu estado constante. Também, os dados sugerem que o mundo tenha aumentado lentamente a sua tarifa do crescimento.
--
Nova teoria de crescimento
--
A teoria de crescimento económico avançou novamente com as teorias do economista Paul Romer até o final dos anos 1980 e no início dos anos 1990. Outros novos teoristas de crescimento importantes incluem Robert E. Lucas e Robert J. Barro.
--
Descontente com a explicação de Solow, os economistas desenvolveram a teoria de crescimento endógena que inclui uma explicação matemática do avanço tecnológico. Este modelo também incorporou um novo conceito de capital humana, as habilidades e conhecimento que fazem funcionários produtivos. Diferentemente da capital física, a capital humana tem o retorno crescente nas tarifas. Por isso, em geral há retorno constante na capital, e as economias nunca conseguem um estado constante. O crescimento não reduz a velocidade como a capital se acumula, mas a tarifa do crescimento depende dos tipos da capital na qual um país investe. A pesquisa feita nesta área concentrou-se que a capital humano vai aumentar (e.g. na educação) ou modificação na tecnológica (e.g. na inovação).
--
References Bibliográficas
  1. Elhanah Helpman, The Mystery of Economic Growth, Harvard University Press, 2004.
  2. Lucas, Robert Jr., 1988. "On the mechanics of economic development," Journal of Monetary Economics, Elsevier, vol. 22(1), pages 3-42, July.
  3. Robert M. Solow (1956), "A Contribution to the Theory of Economic Growth," Quarterly Journal of Economics, 70(1), pp. 65-94.
  4. Romer, Paul M, 1986. "Increasing Returns and Long-run Growth," Journal of Political Economy, University of Chicago Press, vol. 94(5), pages 1002-37.
  5. Trevor W. Swan (1956). "Economic Growth and Capital Accumulation', Economic Record, 32, pp. 334–61.