Manuel Coutinho Carmo Bucar Corte Real, SE, M.Ec.

Comissario Adjunto de Prevenção da CAC de Timor-Leste (2010 - 2014)







O Mundo de Informações

Moedas de Timor-Leste

--
A Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste (ABPTL/BPA), o “banco central” do novo país de língua oficial tetum e portuguesa, e o Governo da República Democrática de Timor-Leste decidiram, em estreita colaboração, desenvolver esforços no sentido de serem emitidas moedas metálicas próprias para uso no país e que pudessem servir de alternativa às moedas de cêntimos (cents) do dólar norte-americano, a moeda oficial de Timor-Leste desde meados do ano 2000, quando a administração da ONU (UNTAET) decidiu nesse sentido.
Esta decisão, que não põe em causa a continuação da utilização do USD como a moeda oficial do país (particularmente das suas notas), tem por base várias considerações. Destas salientamos as seguintes: conveniência, para facilidade de utilização, em dispor de moedas que, ao contrário das americanas, tivessem o seu valor facial expresso em números; necessidade de tentar fornecer uma alternativa ao uso intensivo de notas de 1 (um) USD pois estas degradam-se rapidamente, tal o uso que lhes é dado no país; necessidade de afirmar a soberania do novo (e jovem) país; e possibilidade de o Estado colher alguns benefícios financeiros através do que, em jargão económico, se designa por “direitos de senhoriagem” – que resultam do diferencial entre o custo de produção das moedas ou das notas e o valor facial a que ambas são disponibilizadas aos agentes económicos pela entidade emissora.
Na face comum a todas as moedas vê-se representado um kaibauk, um dos símbolos de poder normalmente utilizados pelos homens, particularmente os de estatuto social mais elevado no seio da organização tradicional timorense. O rebordo, por sua vez, é uma estilização de um crocodilo e inspira-se em motivos semelhantes constantes dos panos típicos de Timor-Leste, os tais.
O náutilo (nautilus pompilius), relativamente abundante nos mares de Timor, é um cefalópode que vive usualmente a grandes profundidades e cuja concha é habitualmente recolhida em mar alto por pescadores timorenses. A sua inclusão numa das faces da moeda procura salientar a necessidade de preservar os recursos marinho do país.
A espiga de arroz, uma das principais culturas praticadas em Timor-Leste, foi escolhida para representar a moeda de 5 centavos, como forma de chamar a atenção para a necessidade de providenciar alimento a todos os timorenses.
O galo de combate é o companheiro inseparável de muitos timorenses que fazem da luta de galos um dos seus desportos favoritos. A sua representação é uma homenagem à cultura timorense e à capacidade de luta que os timorenses demonstraram ao longo do tempo até alcançarem a independência.
--
O beiro é um barco tradicionalmente utilizado pelos pescadores timorenses. Feito ora de um tronco único de árvore que é escavado até tomar a forma pretendida, ora de tábuas montadas para o efeito, os “beiros” são fundamentais para a sobrevivência de muitas comunidades de pescadores existentes ao longo das ricas (em peixe) costas de Timor-Leste.
--
A moeda de 50 centavos é a única que não corresponde a uma moeda americana equivalente em circulação em Timor-Leste. Nela se encontra representada uma planta de café, a principal riqueza agrícola do país e seu primeiro produto de exportação. Representar esta árvore é, simultaneamente, homenagear cerca de 75% da população do país, tal é a percentagem de habitantes das zonas rurais de Timor-Leste.
--

--
Fonte: http://www.turismotimorleste.com/